Resenha Horisont – About Time

SHARE
Crédito: Divulgação

Por: Matheus Jacques

Com pouco mais de dez anos de carreira, a banda sueca Horisont vem mantendo uma regularidade significativa e lançando um àlbum a cada dois anos desde seu terceiro trabalho, “Time Warriors (2013). Com uma discografia que comporta cinco trabalhos no total, a banda nos traz em Fevereiro, junto ao selo Century Media, seu mais novo exercício de rock retrô, “About Time”. O que dizer dessa nova peça? Basicamente: temos uma banda que achou seu ponto crítico (positivamente falando), e vive seus áureos tempos.

Horisont está jogando perfeitamente em seu campo de atuação quando desenvolve “The Hive”, a faixa de abertura do novo trabalho. Em um contagiante tom progressivo que se inicia em um compasso deliberadamente calculado para ser envolvente, a faixa trabalha os melhores pontos da banda. Axel segue brilhando com seus falsetes precisamente disparados e nos conduz com seu vocal a uma incursão em tom épico de hard rock e classic metal que imediatamente me remete a algo entre Wishbone Ash (principalmente no primoroso trabalho de guitarra) e Led Zeppelin. O groove e o ritmo de canção evoluem pouco a pouco do tom mais solene que dá das primeiras formas à faixa para um desenvolvimento cada vez mais célere, culminando no desfecho quase apoteótico.
Capa do álbum
Feche os olhos e se sinta ouvindo um Blue Oyster Cult em sua melhor forma com a faixa “Electrical”, um apelo sincero e feito de forma poderosamente orgânica à nostalgia. De certa forma, colocar um som da Horisont para tocar é sempre ativar essa carga nostálgica que está instaurada em nossa memória emocional ao nos relembrar muitas das bandas dos anos 60 e 70 que ouvimos durante nossa vida. O trabalho poderosamente macio e cativante de guitarra e o refrão extremamente grudento nesse molde de “hino” reforçam essa colossal energia advinda da sonoridade dos suecos, que parecem nos levar para uma máquina do tempo onde realizamos uma deliciosa viagem através das décadas.
A terceira faixa chega descendo a lenha literalmente “sem aviso”. Without Warning chega a arrepiar, a música vem a galope evocando uma certa aura de U.F.O em “Phenomenon” (1974). Com um dos refrões mais poderosos que jà vi com a Horisont, a faixa se desenvolve brilhantemente, esbanjando ferocidade e maestria em seu vibrante trabalho instrumental. Eletrizante.
“Letare”, quarta faixa do trabalho, traz uma introdução a evocar um feeling nostálgico irremediável, nos fazendo contemplar inúmeras possibilidades e vislumbrar o passado. A faixa carrega a dose certa e bem calculada de peso amalgamada de forma entorpecedora e apaixonante a uma bela e bem construida melodia. O refrão é um dos mais viciantes do trabalho, o vocal de Axel atinge um ponto inebriante e fulminante. O cara está em seu ápice em “About Time”, e esse é um dos pontos mais ferrenhos e pétreos da atual fase dos suecos, provavelmente.
Todas as próximas faixas irão trazer diversas e extremamente afinadas nuances dos suecos, aprimorada com o desenrolar dos anos e muita estrada. “About Time” é uma reafirmação reverente e inevitável da atual fase dos caras, concentrando seu grandioso poder de fogo no Rock dos ano 60 e 70, na psicodelia, até no Heavy Metal posterior. Temos um plantel da melhor qualidade, constituído por caras bastante capazes e habilidosos no que desempenham. Destaque ainda para as excepcionais “Point of Return”, “Dark Sides” e o encerramento mais que fantástico e sentimental com a faixa-titulo “About Time”, peça fundamental no trabalho e climax absoluto.
Poder realizar a audição de “About Time” é poder quase que reverenciar a possibilidade mais próxima de uma viagem no tempo. Todo o conceito por trás desse novo trabalho dos suecos não parece ser a toa: parece ser, isso sim, um verdadeiro convite a quem porventura se prontifique a iniciar a audição e conferir as dez faixas desse excelente trabalho. No fim de tudo, ouvir “About Time” é constatar o brilhantismo de uma banda e adquirir a certeza de estar diante de mais uma magnífica peça da Horisont em sua melhor fase.
Tracklist:
01. The Hive
02. Electrical
03. Without Warning
04. Letare
05. Night Line
06. Point of Return
07. Boston Gold
08. Hungry Love
09. Dark Sides
10. About Time
>>> Confira também a entrevista que fizemos com a banda, aqui!