Review de Hammerhead Blues – Caravan of Light

SHARE
Crédito: Camila Cara

Por: Matheus Jacques

 

Carregando a bandeira dos portentosos power trios que desfiaram ao longo das décadas encorpadas sonoridades calcadas no Hard Rock blueseiro, a paulista Hammerhead Blues trouxe através da Abraxas Records, em Abril de 2017, seu álbum de estreia “Caravan of Light”, sucedendo um calibrado e empolgante EP de 2014 que apresentou uma banda habilidosa em hastear a famigerada flâmula das tríades Hardeiras de Rock. Sons como “Low” e “Moontale” nos brindaram com ótimos momentos de Hard/Blues de uma banda afeita a bons riffs e ruidosas melodias, e deixaram uma lacuna a ser preenchida com a sequência desse bom trabalho. Bem, 2017 finalmente nos traz o preenchimento desse espaço.

Antes de tudo e qualquer coisa fica minha necessária ode à belíssima arte da capa de “Caravan of Light”, fruto de Eric Talmant. Esse é um daqueles grandes momentos onde você já começa a degustar (e logo mais a frente devorar sem pudor) um trabalho pela capa, e os petardos contidos no álbum vêm a complementar o pacote de forma elogiável.

Sou grande adepto dessa “cereja do bolo” e caí na ousadia de me permitir imaginar um grande álbum à frente já por essa introdução visual impactante. E fui recompensado: “Caravan of Light” nos traz nove faixas de um Hard Rock pulsante e com alguma dose de psicodelia, cheio de malemolência e ginga e ostentando um groove serpenteante, sibilante.

O trabalho apresenta a medida precisa de encorpados e eletrizantes movimentos de guitarra (Luis Felipe Cardim), seguidos por um trabalho cheio de habilidade na bateria (William Paiva) e grande performance vocal de Otávio Cintra (também responsável pelo Baixo).

Ouvintes de bandas como Mountain, Black Crowes, Humble Pie e Deep Purple deverão curtir bastante esse trabalho. Trazendo para as referências mais atuais, tenho quase certeza que apreciadores de Radio Moscow e principalmente dos blueseiros suecos da Kamchatka acharão muitos motivos para apreciar sem moderação “Caravan of Light”.

Tomaria como um pouco inusitada uma introdução instrumental com “Hero”, mas o cartão de visitas é dado e o recado é passado, abrindo as portas para que a Caravana passe bem diante de nossos olhos e jogue a Luz sobre sua intenção sonora, onde vislumbramos uma agradável peça de Hard Rock levemente entorpecida e com oscilações interessantes, com densidade e gravidade na medida exata. Com “Vultures”, temos Luis Felipe preciso e certeiro nos riffs e intenso no solo. Os vocais estão inseridos de forma adequadíssima e existe a construção de um refrão grudento, pegajoso, com o corpo sonoro criado se baseando em um cativante e sólido gingado.

“Morning Breeze” segue com o ótimo trabalho de Luis nas seis cordas e ainda nos traz um “quê” bucólico que de alguma forma, ainda que moderada, me trouxe à mente uma aura de Southern Rock embutida na faixa. “Lion Queen” se destaca e é outro desses momentos entregues a vibrantes reminiscências das poderosas e grudentas canções de rock sessentistas e setentistas, cheias de grandes versos e refrãos e elevando o estado de espírito do ouvinte a uma total apreciação. A roupagem de “rock sulista” americano segue presente e preenchendo os contornos da faixa.

Com “Hammerhead Blues”, as bem elaboradas intervenções dos músicos se conectam em um emaranhado instrumental com andamentos criativos e pulsantes, em uma virtuosa e galopante jam session muito bem feita e com um toque Sabbathico. Ainda pra completar, temos as boas canções “Desert Wind” e “Drifter”: a primeira com uma sutil mudança de ares do trio para abraçar de leve uma suingada verve funkeada e maliciosa; e a segunda, mais uma peso-pesado dos riffs e tiros certeiros, um caprichado e encorpado encerramento no melhor estilo Hammerhead Blues com a adição de um verniz lisérgico preciso no interlúdio da música.

Hammerhead Blues traz com “Caravan of Light” a vibração setentista e sua aura nostálgica para um campo onde consegue inserir de forma correta e aprazível uma modelagem contemporânea e acessível, soando como um afinadíssimo “rock de arena” cheio de bons refrãos e com uma mensagem sempre válida: retomar a “era de ouro” sem cair no piegas e no clichê. Hammerhad Blues faz um belo brinde aos 70’s, pois então um brinde à Hammerhead Blues!

 

Ficha Técnica:
HAMMERHEAD BLUES – Caravan of Light (2017)
Gravadora: Abraxas Records
Formato: CD / Digital
Arte da Capa: Eric Talmant

HAMMERHEAD BLUES é:
Otavio Cintra – baixo/voz
Luis felipe cardim – guitarra
William paiva – bateria

 

Caravan of Light – 2017 –
Capa

Faixas do álbum:

  1. Hero
  2. Vultures
  3. Morning Breeze
  4. Rat
  5. Lion Queen
  6. Hammerhead Blues
  7. St James Infirmary
  8. Desert Wind
  9. Drifter

Ouça aqui: